|

Notícias

Notícias em destaque
13
abr

Curso de Psicologia comemora 114 anos do nascimento de Jacques-Marie Émile Lacan

Jacques-Marie Émile Lacan, nasceu em Paris, 13 de abril de 1901 e morreu em 09 de setembro de 1981. Formado em Medicina, passou da neurologia à psiquiatria. Teve contato com a psicanálise através do surrealismo e a partir de 1951, afirmando que os pós-freudianos haviam se desviado, propõe um retorno a Freud. Para isso, utiliza-se da linguística de Saussure (e posteriormente de Jakobson e Benveniste) e da antropologia estrutural de Lévi-Strauss. Seu ensino é primordialmente oral, dando-se através de seminários e conferências. Em 1966 foi publicada uma coletânea de 34 artigos e conferências, os Écrits (Escritos). A partir de 1973 inicia-se a publicação de seus 26 seminários, sob o título Le Séminaire (O Seminário), sob a direção de seu genro, Jacques-Alain Miller.
Lacan soube anunciar o tempo que veio a ser o nosso. Se a invenção freudiana desenvolveu um novo humanismo, explorando a parte irracional da condição e natureza humanas e estimulando as liberdades através da emergência da democracia e da regulação do estado, Lacan era mais sombrio em sua abordagem da sociedade humana e e anunciava a ideia da fragilidade dos regimes democráticos. Foi com esse espírito que propões o retorno a Freud, o sentido de um reorno a Freud é o retorno ao sentido de Freud. A essência desse retorno: “O retorno significa ao mesmo tempo uma renovação a partir dos fundamentos.” Se Lacan chegou a declarar, na ocasião do centenário do nascimento de Freud, que relembrar um nascimento é supor a continuação da obra, podemos dizer que lembrar o nascimento de Lacan é pensar na continuação e sobrevivência do homem e da obra. Podemos entender que a “coisa lacaniana” também é um segredo impenetrável, a verdade dita é simplesmente uma falta. Desta forma, a psicanálise francesa (Lacan) acentuou o caráter subversivo da psicanálise freudiana. Parafraseando a frase de Freud ao avistar o porto de Nova York, poderemos pensar que “todos ficarão admirados quando souberem o que Lacan tem a dizer”. Assim, há uma psicanálise que se abre a uma nova Clínica a partir da 2ª Clínica de Lacan, sem exageros Lacan pode ser considerado um mito fundador de uma psicanálise subversiva, descerrando os tesouros secretos de Freud. O “retorno a Freud” forneceu um novo alicerce teórico para a psicanálise, considerando que o objetivo da analise é levar o (a) paciente a enfrentar as coordenadas e os impasses essenciais de seu desejo. Lacan foi um clínico, sua clínica perpassa toda sua obra. Podemos usar Lacan para entender nossas agruras sociais e libidinais, a partir da teoria lacaniana que “toda verdade é parcial”.

  

Prof. MS. Glaudston Lima – Psicólogo CRP 02 9644

Psicoterapeuta de Inspiração Psicanalítica

 

Coordenação do Serviço de Psicologia FAINTVISA

 

Supervisor do ESO I e II – FAINTVSA (Psicoterapia Psicanalítica)